Por: Juliana Elias, da CNN
06/07/2021 - 09:28:38

Até aqui, campanha estava focada em idosos, crianças e grupos prioritários; vacina da gripe pode ser tomada 14 dias depois da dose contra a Covid-19

Doenças respiratórias aumentam no inverno e podem sobrecarregar hospitais

Foto: Leandro Ferreira/Fotoarena/Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde informou neste sábado (3) que a vacinação contra a influenza, o vírus da gripe, já está aberta para toda a população do país com mais de seis meses de idade. A campanha vai até a próxima sexta-feira, 9 de julho, e cada estado e município pode determinar como será o atendimento à população ampla.

Até aqui, a campanha estava focada nos grupos prioritários, que incluem pessoas com mais de 60 anos ou com menos de 6, gestantes e pessoas com comorbidades, entre outros. 

O Ministério da Saúde e especialistas reforçam a importância de se proteger contra a gripe, que é mais comum no inverno, e, em especial, em meio à pandemia de coronavírus, para evitar que mais casos graves de doenças respiratórias ocupem os leitos dos hospitais

É necessário dar um intervalo mínimo de 14 dias entre a dose da vacina da Covid-19 e a da influenza. Como as duas campanhas estão ocorrendo ao mesmo tempo, a orientação do Ministério da Saúde é que, nos grupos prioritários, a dose contra a Covid-19 seja feita antes.

Para a campanha da vacinação contra a gripe deste ano, foram disponibilizadas 80 milhões de doses, produzidas pelo Instituto Butantan. Até agora, 34,2 milhões de pessoas se imunizaram, o que representa cerca de 42% dos grupos prioritários.

Para se vacinar contra a gripe, basta ir a um serviço de saúde com um documento com foto e, se possível, também a caderneta de vacinação.

No grupo prioritário da vacinação contra a gripe inclui ainda professores, profissionais da saúde, puérperas (até 45 dias após o parto), povos indígenas, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo e rodoviário, trabalhadores portuários, membros das forças de segurança e salvamento, Forças Armadas, presidiários e funcionários dos presídios.


Enquete

Qual seu grau de confiança em Bolsonaro após novas polêmicas?





VOTAR PARCIAL