Por: Redação / atlanticanews
09/09/2020 - 07:35:03

O que vai acontecer com o mercado de eventos após a pandemia do novo Coronavírus? Considerado um dos setores mais afetados pela crise econômica e social provocada pelo vírus, essa é uma pergunta que tem provocado inúmeras reflexões entre os empreendedores que atuam e dependem desse setor. Depois de crescer 9,5% em 2019, alcançando uma receita de R$ 11,3 bilhões, o turismo de negócios está totalmente parado desde março, início da pandemia do Coronavírus.

Um levantamento feito pelo Sebrae, em abril, mostra que a pandemia da Covid-19 afetou 98% do setor de eventos. A pesquisa ouviu prestadores de serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas, além de profissionais cujos trabalhos envolvem aluguel de estruturas, como palcos. A pesquisa ainda mostra que, em comparação ao mês de abril do ano passado, 62,5% dos entrevistados acreditam na redução de 76% a 100% do faturamento em abril deste ano.

Já faz mais de quatro meses que o setor de eventos está suspenso. O Parque Vila Germânica, localizado em Blumenau, Santa Catarina, local de eventos da região, teve toda a sua agenda de eventos cancelada ou reagendada. Um exemplo é a Febratex, uma das maiores feiras do mundo para a indústria têxtil e a maior das Américas, promovida pelo Febratex Group, uma das principais promotoras de feiras têxteis da América Latina.

Inovação nos eventos do setor têxtil

O diretor explica que o setor passa por um momento desafiador mas uma das saídas é inovar, principalmente no que se refere ao ramo têxtil, que já vem diariamente lançando novidades para combater a Covid-19.

“Tenho certeza que o movimento que está acontecendo na moda para valorizar os produtos locais não ficará apenas na moda, ele é comportamental, isso vai trazer muitas oportunidades para o turismo local. A inovação vai ser pelo próprio trade de turismo que já existe internamente, será uma grande redescoberta do próprio Brasil. Outro ponto de inovação são os tecidos tecnológicos antivirais e tecidos que consigam ser desfibrados para ter todo o processo dentro da economia circular, fazendo com que a indústria têxtil e de moda não seja mais vista como poluidora, mas sim uma grande indústria que cuida dos seus resíduos”, aponta Pompeo Jr.

Eventos regionalizados são uma saída

A Associação Brasileira da Agências de Viagens Corporativas (Abracorp) captou em março de 2020 o impacto negativo do isolamento social em vários estados, especialmente em São Paulo, que concentra o grosso dessa atividade no país. Segundo pesquisa da Abracorp, a receita com vendas de passagens aéreas, diárias de hotéis e locação de automóveis, entre outros serviços, foi de R$ 890 milhões em média nos meses de janeiro e fevereiro, mas caiu para pouco mais de R$ 400 milhões em março. Entre abril e junho, a queda chegou a 100%, dependendo da empresa.

Presencial e online

O modelo híbrido de evento, aliando a presença física com o alcance do virtual, pode ser uma tendência a ser observada futuro, embora a importância do presencial ainda seja fundamental: “O digital é uma plataforma incrível. Em muitas situações, a tecnologia aproxima e agiliza. Mas consigo ver claramente no mercado de eventos de negócio que as feiras presenciais sempre serão mais prestigiadas. Morando na Europa há dois anos, visito feiras por todo o continente e percebo claramente uma projeção que o digital ainda não consegue contemplar sozinho. As feiras de negócios foram e sempre serão um meio para recuperarmos a economia e aproximar as pessoas”, ressalta Giordana Madeira, Diretora Executiva do Febratex Group.

 

Enquete

Qual o principal problema da sua cidade?






VOTAR PARCIAL