Por: Renata Zappellini/Vogue
22/05/2020 - 00:39:45

A cada dia, o conceito conhecido como Slow Living, tem feito mais parte da vida e da rotina das pessoas. Mas você já conhece este movimento? Com origem no Slow Food, esta prática tem o objetivo de criar um estilo de viver com mais equilíbrio, paz e direcionado a um modo de consumo sustentável.

Estamos sendo obrigados a ter uma vida mais lenta em casa e podemos agora usufruir daquele desejo de restaurar alguma forma de equilíbrio em nossas vidas cotidianas, em contrapartida com a relação a um mundo, de pouco tempo atrás, que sempre nos exigiu tanto esforço, onde muitas vezes podia até parecer que nos restava pouco tempo para existir.

E agora, essa mudança de ritmo começou em casa. Sempre defendi a ideia de que nossas casas são nossos santuários: espaços onde somos livres para sermos nós mesmos e onde podemos encontrar paz e tranquilidade.

Quem somos começa em casa

Quando se trata de projetar casas, minha filosofia é simples: uma casa deve ser montada com base em como queremos sentir e viver e não em como achamos que deveria parecer. A arte do lar é muito mais do que estética. No centro de nosso esforço está o desejo de facilitar a vida que desejamos desenvolver dentro dos espaços que habitamos.

O desejo de um lar mais lento e mais considerado é, em última análise, o desejo de uma abordagem mais considerada da vida cotidiana. Quem somos começa em casa. O lar é onde descansamos e recarregamos, o lar é onde criamos nossas famílias, e agora também nosso local de trabalho. Lar é o lugar em que somos mais livres para sermos nós mesmos e é o lugar em que damos as boas-vindas aos outros em nosso mundo. Com tantos de nós fatigados por um mundo que pode parecer em desacordo com nossos próprios valores, o lar é o lugar onde podemos criar um mundo que reflete o que mais nos importa.

Quando nossas casas são cuidadosamente montadas com base no que valorizamos e em como desejamos viver, elas começam a servir como mais do que apenas espaços que habitamos, e se tornam uma maneira tangível de reforçar esses valores.

Mas então, como projetar um lar inspirado na “vida lenta”?

Projete uma casa para os sentidos

Nossos sentidos são o que nos fundamenta aqui e agora. Um lar criado com todos os nossos sentidos em mente é um espaço onde podemos encontrar o caminho de volta para nós mesmos. Numa época em que grande parte da vida cotidiana é governada por telas, criar nossa casa de uma maneira que enfatize o digital a favor do sensorial pode fornecer um descanso bem-vindo para todos nós.

Usando materiais naturais, como linho, pedra, lã ou argila. A introdução de formas orgânicas suaves, como superfícies irregulares e naturais, ou as pequenas imperfeições da cerâmica artesanal, tudo dá aos nossos sentidos algo para notar e experimentar.

Usar o design para calma e contemplação

Abrir espaço em nossas mentes para reconectar-se é o início da desaceleração e da vida um pouco mais atenta. Projetar nossas casas com espaços serenos para a mente que possam ser saboreados, como um meio de encontrar um pouco de silêncio, pode ser benéfico para nós e para pessoas com quem compartilhamos nossos espaços múltiplos, além de ser o ponto de partida para a construção de rotinas mais lentas e mais ponderadas em nossas vidas.

Um paleta de cores calmantes. Recantos para contemplação, como uma poltrona perto de uma janela, um canto de leitura ou uma luz de leitura perfeita ao lado da cama. Um local confortável e tranquilo para fazer uma pausa e tomar um momento enquanto o chá está sendo preparado, são alguns exemplos.

Usar o design para refletir a individualidade

Casas que refletem genuinamente a individualidade das pessoas que residem nelas raramente são a representação perfeita das últimas "tendências" das revistas de design de interiores. Em vez disso, são lares cheios de objetos que foram coletados lentamente ao longo do tempo que contam histórias, viagens, esperanças e sonhos das pessoas que vivem neles. Em vez de sucumbir à pressão de comprar os itens mais recentes, produzidos em massa e focados nas tendências, que se tornam irrelevantes tão rapidamente quanto entram na moda, uma casa lenta é aquela em que as decisões de compra são feitas com moderação, com consideração e intenção.

Seja uma coleção de itens de viagens ao redor do mundo, cerâmicas funcionais coletadas lentamente ou tapetes antigos e móveis antigos, há muitas maneiras de criar uma casa que seja uma expressão de nossos próprios valores.

No final, basta uma mudança de foco para o modo de como nossas casas devem parecer para o modo de como queremos que elas nos façam sentir e quais atividades queremos ter dentro delas. O design cuidadoso é a chave para nos levar a melhores hábitos e maneiras melhores de percorrer os ritmos da nossa vida cotidiana e incentivando a vida que mais ansiamos.


Enquete

Vale a pena retomar o ano letivo ainda em 2020?





VOTAR PARCIAL