Por: Redação/atlanticanews
05/11/2019 - 16:29:21

O ministro da Defesa, General Fernando Azevedo e Silva, esteve em Porto Seguro, extremo sul da Bahia, no último domingo (3) para dialogar com prefeitos da região sobre o derramamento de óleo de petróleo no litoral do Nordeste há pouco mais de dois meses e que ainda afeta as praias atingidas. Em coletiva, o ministro disse que não tem bola de cristal para saber a origem das manchas de óleo.

“A gente não tem os meios para dizer a origem do vazamento. Temos algumas dúvidas, pelo tipo de óleo. Ele vai a meia-água, não vem à superfície. Radar não pega, satélite não pega. Não temos bola de cristal.  No início de setembro, mais precisamente 2 de setembro, apareceram os primeiros indícios. No início de outubro veio mais. Estamos acompanhando com meios que a gente tem, mas bola de cristal a gente não tem”, disse.

Perguntado se o problema estava próximo do fim ou ainda no começo, limitou-se a dizer que “só se tem visualização quando chega na praia”. Segundo o general, o Exército brasileiro está ajudando nas manchas em Salvador e Recife e, se a Marinha esgotar seus meios, “o Exército vem ajudar” na região de Porto Seguro.

Sobre o empenho de civis na limpeza das praias, o ministro disse que “fica satisfeito com os exemplos” que viu em Porto Seguro, “com todos unidos para combater o problema”. “Hoje eu vi a estrutura municipal toda à frente, com os órgãos ambientais e as Forças Armadas apoiando".

A coletiva aconteceu na Capitania dos Portos de Porto Seguro. Participaram os prefeitos da Costa do Descobrimento, Cláudia Oliveira (Porto Seguro), Agnelo Santos (Santa Cruz Cabrália) e Janival Andrade (Belmonte), Polícia Militar, Inema, Ibama e ICMBio.

"É um momento também de reflexão sobre a maneira como estamos tratando o nosso meio ambiente", disse a prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira. "Criamos um comitê especialmente para tratar desse assunto, entramos em contato com os órgãos envolvidos, fizemos licitação e contatos com fornecedores para reservas de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e tonéis, empresários locais também estão apoiando. A nossa torcida era para que não chegasse, mas estamos preparados para o combate".

 


Enquete

Qual o principal problema da sua cidade?






VOTAR PARCIAL